Pela estrada afora eu vou tão sozinha, 2006
intervenção urbana+performance com Laura Virginia e Mônica Martins
Funarte

Realizei, na área verde da Funarte Brasília, com fitas de plástico colorido, desenhos de formas geométricas criando planos verticais e horizontais entre uma árvore e outra, formando uma rede de planos que se interceptam. Usando o desenho e a pintura como principal referência, esse trabalho explora o universo da arte geométrica construtivista numa escala monumental, projetando num espaço natural elementos geométricos comuns à arquitetura modernista da cidade de Brasília. O embate natureza vs. arte concentra meu maior interesse dentro da arte contemporânea. Essa intervenção propôs um diálogo entre os elementos reais e metafóricos que compõem um espaço ao ar livre e os elementos que compõem um espaço de arte.