Paisagem Interior, 2006
Galeria de Bolso
Casa de Cultura da América Latina        

A instalação proposta para a Galeria de Bolso faz parte de uma série iniciada em 2000, onde utilizo pacotes de algodão doce como elemento geométrico de repetição. No caso desse espaço, em particular, por se tratar de uma vitrine voltada para uma rua movimentada do centro comercial da cidade, a escolha de um doce comercializado em feiras e praças como material artístico foi associada à tentativa de envolver os sentidos do público que circula diariamente na região. Por outro lado, em contraste com a qualidade ingênua do algodão doce, os outros elementos da instalação — o chão de pregos, o teto espelhado, as cores e os textos plotados — criavam uma atmosfera densa/tensa, sugerindo uma “casa da luz vermelha” (a noite a região comercial se transforma num dos pontos de prostituição mais conhecidos da cidade).

A questão natureza vs. arte, manifesta em instalações anteriores, continua presente nesse trabalho, principalmente na escolha dos materiais, que enfatizam o caráter artificial da arte.

Por fim, a instalação tem como referência a pintura, linguagem a qual, naquele momento, operava no meu trabalho como uma espécie de “pedra filosofal”, fundamento metafísico de todas as outras linguagens.